A eleição delas: desempenho feminino nas urnas é o melhor da história

 
 

Mulheres responderam por 33,6% das candidaturas e passaram de 11,7% do total de prefeitos eleitos em 2016 para 12,1% agora

Na primeira eleição municipal sob o governo misógino e ultraconservador de Jair Bolsonaro, as mulheres avançaram na batalha pelas prefeituras e tiveram seu melhor desempenho nas urnas. Em novo recorde, elas responderam por 33,6% das candidaturas e passaram de 11,7% do total de prefeitos eleitos em 2016 para 12,1% agora.

No primeiro turno, duas mulheres venceram no domingo (15) entre as capitais de estado ou cidades com mais de 200 mil eleitores. Só que cresceu de forma mais expressiva a presença feminina nas disputas de segundo turno – ou seja, das maiores e mais importantes cidades do país. Há quatro anos (no último pleito municipal), apenas seis mulheres passaram para o segundo turno, ao lado de 108 homens.

Em 2020, são 20 mulheres e 94 homens. Entre as grandes cidades com segundo turno, há mulheres concorrendo, por exemplo, em Porto Alegre (Manuela D’Ávila, do PCdoB) e no Recife (Marília Arraes, do PT). A certeza de vitória feminina está em Ponta Grossa (PR), onde a disputa será entre duas candidatas: Mabel Canto (PSC) e Professora Elizabeth (PSD).

Apesar de serem maioria na população brasileira, com 52% do total, as mulheres são minoria nos principais postos de comando político do País.​Dentro da estrutura de chefia dos partidos políticos, também predominam homens e brancos, que demonstram forte resistência a mudar esse quadro. Uma exceção é o PCdoB, presidido desde 2013 por Luciana Santos, hoje vice-governadora de Pernambuco.

Em 2018, o Tribunal Superior Eleitoral determinou que os partidos têm que destinar a verba de campanha eleitoral na proporção das candidaturas femininas lançadas, sempre em patamar superior a 30%. Agora, em 2020, foi a vez de o Supremo Tribunal Federal determinar que as legendas também façam a distribuição proporcional da verba entre candidatos brancos e negros. Em ambos os casos, o Judiciário foi instado a se manifestar por meio de ação protocolada por parlamentares.

Apesar disso, nas principais cidades e nos mais importantes cargos em disputa, o padrão de candidato continua sendo o homem branco, disparado. É o caso dos 95 maiores municípios brasileiros, que têm mais de 200 mil eleitores e concentram 40% da população. Neles, oito a cada dez candidatos a prefeito foram homens, com destaque para Norte e Nordeste.

“A sociedade é machista, racista e homofóbica”, diz a professora Luciana Ramos, coordenadora de Pesquisa Jurídica Aplicada da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Segundo ela, é preciso cautela e acompanhar os resultados das eleições do segundo turno antes de comemorar o avanço maior de mulheres no comando das maiores prefeituras do País.

No pleito de 2016, os eleitores escolheram apenas três prefeitas nas 92 cidades onde era realizado segundo turno: Teresa Surita (MDB), em Boa Vista; Raquel Lyra (PSDB), em Caruaru (PE); e Paula Mascarenhas (PSDB), em Pelotas (RS). Na eleição de domingo, a atual prefeita de Palmas, Cinthia Ribeiro (PSDB), foi reeleita. Porém, Cinthia assumiu o comando municipal em 2018, com a saída do então prefeito para concorrer às eleições estaduais.

A doutora em Ciência Política Maria Teresa Berkauy, também pesquisadora do Centro de Estudos de Opinião Pública da Unicamp, destaca o avanço de candidatas mulheres ao segundo turno nas cidades do interior de São Paulo, como Ribeirão Preto, Bauru, Franca e Sorocaba. “Em Ribeirão Preto, por exemplo, Duarte Nogueira (PSDB) vai concorrer com Suely Vilela (PSB). Ribeirão Preto já teve uma prefeita (Dárcy Vera) e tem uma nova candidata”, lembra. São Vicente e Praia Grande, no litoral paulista, também têm candidatas disputando, bem como nas mineiras Contagem, Uberaba e Juiz de Fora (MG), Cariacica (ES), Pelotas (RS) e Santarém (PA).

O total de candidatas que concorreram à prefeitura neste domingo foi de 187, de um total de 1.055 candidatos, ou 17,7%. O total de mulheres (prefeitura e vereadores) somou 33,6% do total, ficando acima da média da cota de 30% para mulheres. A cota, contudo, só é válida para cargos não executivos.

Fonte: Portal Vermelho com informações da Folha de S.Paulo e do Valor Econômico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *