Sindicato filiado a Fessp-esp faz campanha publicitária inédita e tira o servidor penitenciário paulista do anonimato

 

Diretores do SINDCOP também fazem parte da diretoria da Fessp-Esp

 

A partir desta semana estará nas ruas de diversas cidades paulistas e na internet uma campanha publicitária de valorização do servidor penitenciário. Com o mote “Impossível sem Agente” e o manifesto “Essencial á paz, invisível a sociedade”, o SINDCOP (Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária e demais Servidores Públicos do Sistema Penitenciário Paulista), realizador da campanha, pretende tirar os servidores do anonimato e mostrar sua importância para a sociedade.

O SINDCOP é um dos maiores sindicatos de servidores do sistema prisional da América Latina. Fundado em 1990, a entidade é sediada em Bauru e conta com quatro subsedes e cinco pontos de apoio distribuídos em várias regiões do Estado de São Paulo. Diretores do sindicato participam da diretoria da Fessp-esp, e de confederação, central e organismos nacional e internacional.

A iniciativa do sindicato, de investir numa campanha publicitária de valorização do servidor, foi do presidente da entidade Gilson Pimentel Barreto. A ideia surgiu há cerca de dois anos, quando Barreto afirma ter percebido que era preciso fortalecer a identidade da categoria e mostrar que esse profissional é de suma importância para sociedade.

Segundo Barreto, essa necessidade foi reforçada no começo deste ano quando o governador João Doria anunciou que pretende privatizar o sistema prisional paulista.

“Nesse começo de ano o governo do Estado vem a público anunciar que vai fazer PPPs [Parcerias Público-Privadas], propagando os benefícios do projeto, mas escondendo que, além de ilegal, é mais caro para os cofres públicos. A valorização do agente penitenciário também é uma ação de combate ao projeto de PPPs em presídios”, diz Barreto.

Conforme o sindicalista, todos esses fatos reforçaram a necessidade de um novo tipo de ação do sindicato, que culminou na contratação da Agência de Comunicação Imer, localizada em São Paulo, para realizar um trabalho de pesquisa do perfil da categoria e executar a campanha.

 

Denúncias

A campanha, além de valorizar os servidores também denuncia, de modo sutil, as péssimas condições do ambiente de trabalho nas unidades prisionais.

 “As condições de trabalho nas unidades prisionais são péssimas. Os servidores trabalham num ambiente insalubre, trancafiados e sujeitos a diversos tipos de doenças. O ambiente profissional também gera sérios problemas na vida do servidor, como: doenças mentais, baixa estima depressão e suicido”, diz o presidente.

De acordo com ele, a campanha traz a luz para a sociedade todos esses aspectos da profissão.

“Queremos que a sociedade reconheça a importância desse profissional que é invisível, mas que é de suma importância para a segurança de todos e também que é preciso um profissional qualificado para fazer esse tipo de trabalho”, afirma.

Abrangência da campanha

A campanha não tem prazo de conclusão. Serão feitas divulgação de conteúdos publicitários físicos e virtuais. Na internet, a campanha conta com um hotsite, que vai abrigar os desafios, o propósito e todo o direcionamento para as redes sociais.  Paralelamente, estará disponível um canal no YouTube, com quatro peças áudio visuais: três temáticas e um teaser de apresentação do trabalho.

No meio físico, haverá outdoors, frontlights e busdoors espalhados estrategicamente na Capital paulista e em diversas cidades do interior. Os locais foram escolhidos conforme a concentração da população carcerária:

Cidades onde a campanha estará presente

Outdoors: Avaré, Campinas, Osasco, Pirajuí, Presidente Venceslau, Ribeirão Preto e São José do Rio Preto
Frontlights: Guarulhos, Osasco, Araraquara, Bauru, São Vicente, Ribeirão Preto
Busdoors: Campinas, Bauru e São Paulo

 

Visite o link da campanha

www.impossivelsemagente.org.br

 

 

Departamento de Comunicação do SINDCOP

Responsável: Jornalista Inês Ferreira

14-99614 – 2106

[email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *