Sindicalistas denunciam prejuízos da PEC 32 em ato na cidade de Tupã

A Fessp-Esp foi represnetada pelo presidente Lineu Mazano

Debater e ampliar a denúncia acerca dos prejuízos da Proposta de Emenda à Constituição 32, a PEC da Reforma Administrativa, foi o objetivo da Audiência Pública realizada em Tupã, na noite da quinta-feira (9).

Organizada pelo do Sindicato União dos Servidores do Poder Judiciário de São Paulo e a UGT-SP, com o apoio da Nova Central, Confederação dos Servidores Púbicos do Brasil (CSPB), Federação dos servidores Públicos do Estado de SP (Fessp-Esp), Sispesp e Sindicato União do Judiciários, entre outros, a atividade foi realizada em formato virtual e presencial.

A mesa foi coordenada por Amaury Mortágua, presidente da UGT Estadual e do Sindicato dos Comerciários de Tupã, e contou com a presença dos vereadores Cris Vicente (PCdoB) e Alexandre Scombatti (PL), João Domingos, presidente da CSPB, Lineu Neves Mazano, presidente da Fessp-Esp e do Sispesp, Wagner, Silvio Santos, presidente do Sindicato União, e Silvio Santos, diretor do Centro Professorado Paulista (CPP). Em vídeo, o comerciário e deputado federal Luiz Carlos Motta reforçou seu posicionamento contra a PEC 32.

“Eventos como esse são fundamentais para ampliar a denúncia sobre a PEC 32. A população precisa ter conhecimento desse projeto que visa destruir todo o Estado de proteção social”, afirmou Lineu Mazano.

Presidente da CSPB, João Domingos foi o palestrante convidado. Na avaliação do sindicalista, a PEC 32 não se configura uma Reforma Administrativa, pois ao contrário de melhorar, destrói o setor público. “Reforma serve para aprimorar e ampliar os serviços públicos para fazer jus à alta carga tributária que os brasileiros pagam”, defendeu.

João Domingos completou: “Mas essa proposta está aí e temos que conhecer para lutar contra essa PEC que vem com dois objetivos principais: o primeiro é servir como um mecanismo de ajuste fiscal perverso, feito em plena pandemia para acabar com o serviço público brasileiro, que já é pouco para atender a demanda em quantidade e qualidade especialmente na pandemia. E em segundo lugar é um modo político ideológico, ela é uma chance de uma Reforma do Estado, a fim de implantar o modelo ultraliberal de Estado. E esse é o pior aspecto”, lamentou.

Lineu Mazano apontou os prejuízos da PEC 32 para os servidores e a população. “A questão da manutenção da estabilidade é uma cortina de fumaça, porque foram colocados outros obstáculos para sua manutenção. Como no caso de extinção de algum órgão, que ficaria a cargo de uma canetada do Presidente da República”, destacou Lineu Mazano.

Outro ponto citado pelo dirigente foi sobre o atendimento à população, que será feito pela iniciativa privada. “Antes da pandemia Guedes já discutia a terceirização do SUS, ou seja, empresas privadas para atender na área da saúde. Imagine se isso tivesse acontecido”, cogitou.

Lineu Mazano finaliza: “Por isso, precisamos ampliar cada vez mais essa luta para que população tenha conhecimento do grau de perversidade da Reforma Administrativa. No entanto, é preciso aglutinar mais forças. No estado de São Paulo não é diferente com os ataques do governador João Doria aos aposentados”.

Clique AQUI e assista à Audiência na íntegra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/fessp-esp/www/wp-includes/functions.php on line 4755

Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/fessp-esp/www/wp-includes/functions.php on line 4755